TJPR esclarece a diferenciação das Empresas de Factoring e das Garantidoras de Condomínios.

2
23 de junho de 2021

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Esclarecem os julgadores que o Factoring constitui operação precipuamente voltada ao fomento mercantil, consubstanciada na aquisição de ativo financeiro que possibilita ao cedente a venda antecipada, mediante preço normalmente com desconto,
propiciando-lhe capital de giro, com subsequente prestação de serviço normalmente
atrelado à gestão do crédito.

Em contrapartida, a chamada “cobrança garantida” é decorrente da prestação de
serviço consistente na tentativa de cobrança da taxa condominial em atraso e, em
caso de insucesso, a subsequente sub-rogação pela prestadora do serviço no
crédito.

Definem ainda, que por mais que haja gestão de crédito pela Empresa Garantidora do Condomínio (cobrança e financiamento), isto não induz à qualificação da operação (cobrança garantida) como Factoring.  

E complementa o Magistrado, pensar assim abre espaço para que toda e qualquer sub-rogação convencional (artigo 347, inciso I, do Código Civil) possa vir a ser considerada como Factoring, o que é equivocado.

A diferença mais contundente é que a operação realizada pela Empresa Garantidora do Condomínio não se presta ao fomento mercantil em si, pois, é evidente que o condomínio não desenvolve atividade empresarial.

Não bastasse isso, inexiste compra à vista e antecipada pela recorrente, dado
crucial que descaracteriza por completo a operação discutida como factoring.

* Decisão da 3ª. Turma Recursal dos Juizados Especiais – TJPR, julgado 07/05/2021.

Fonte : Jurandyr Souza Junior – Consultor jurídico Sinfac Pr

Inscreva-se e receba notificações das publicações de artigos e conteúdo.

Assine nossa newsletter

Assine e receba nossa newsletter para acompanhar as novidades do da comunidade.

Politica de Privacidade(Requirido)
Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.