CRISE ECONÔMICA OBRIGA PEQUENO EMPRESÁRIO BRASILEIRO A MUDAR MODELO DE GESTÃO JURÍDICA

gabrielle-henderson-HJckKnwCXxQ-unsplash_Easy-Resize.com
3 de agosto de 2021

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A crise causada pela pandemia da Covid-19 teve grandes efeitos negativos na economia brasileira, com maior impacto sobre os médios e pequenos empresários. Nos negócios pesquisados pela Serasa Experian, 92,4% dos que tiveram contas negativadas foram médias e pequenas empresas. Outra pesquisa, que foi realizada pelo Sebrae, mostra que 79% destas empresas ainda sofrem com os prejuízos causados pelo isolamento social. E 80% destes negócios seguem abertos, mas 43% deles ainda vendem menos do que vendiam antes do início da pandemia. Apesar destas dificuldades, este setor é responsável por 27% do PIB, Produto Interno Bruto do país. E por 52% dos empregos com carteira assinada, segundo dados do Sebrae. 

O prolongamento desta situação de incerteza econômica mudou muitos hábitos administrativos nas médias e pequenas empresas. Os donos passaram a ter mais atenção ao controle de gastos, reduziram o quadro de pessoal, encolheram as atividades e renegociaram às dívidas. A análise é do advogado Thierry Phillipe Souto, especialista em Direito Empresarial. Ele diz também que os empresários agora estão mais atentos ao cenário nacional, para poderem alterar o planejamento a cada fato novo da economia: ‘Os empreendedores são forçados a reorganizar as suas contas, prorrogando o endividamento de curto prazo, cortando investimentos desnecessários e evitando possíveis riscos. Os pedidos de recuperação judicial, que se tornaram frequentes no noticiário econômico, mostram que esta foi uma alternativa muito utilizada nesta fase’, diz o advogado.

Com as reações da economia indicando chances de recuperação, as empresas também precisam dar mais atenção aos seus cadastros, já que 50% das causas de rejeição em créditos surgem das dívidas pendentes em nome destas empresas, afirma Thierry Phillipe Souto. E complementa: ‘O crescimento das dificuldades alertou muitos empreendedores. E as pequenas e médias empresas estão dando mais atenção aos riscos e procurando assessorias jurídicas preventivas. Desta forma fecham contratos mais claros, que evitem estas situações’.

O advogado Thierry Phillipe Souto acrescenta que a rotina das pequenas e médias empresas é mais corrida porque geralmente o dono também executa tarefas administrativas e comerciais. E isso atrapalha a sua atenção para as relações empresariais, incluindo os contratos: ‘Com a rapidez na troca de mensagens por e-mails e aplicativos, muitos empresários acreditam que estão seguros em suas negociações. E pensam que tudo já está documentado nas mensagens digitais, que seriam uma garantia. Mas a realidade é que as garantias, direitos e deveres entre as partes só estão em contratos com os acordos realmente formalizados e assinados pelas partes envolvidas’. 

Matéria produzida por Thierry Phillipe Souto Costa.

Inscreva-se e receba notificações das publicações de artigos e conteúdo.

Assine nossa newsletter

Assine e receba nossa newsletter para acompanhar as novidades do da comunidade.

Politica de Privacidade(Requirido)
Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.